O pequeno rebanho e a multidão dos pecadores

Ai de vós que estão no serviço da Igreja! Se tantos são condenados por sua culpa, o que vai acontecer com você?

São Tomás, o Doutor Angélico, depois de considerar todas as razões prós e contras em sua imensa erudição, finalmente, concluiu que o maior número de adultos católicos são condenados. Ele diz: “Porque a bem-aventurança eterna supera a condição natural, especialmente se tiver sido privado da graça original
, é o pequeno número que são salvos."
Pegue todos os estados, ambos os sexos, todas as condições: maridos, esposas, viúvas, mulheres jovens, homens jovens, soldados, mercadores, artesãos, ricos e pobres, nobres e plebeus. O que estamos a dizer sobre todas estas pessoas que vivem tão mal?

A seguinte narrativa de São Vicente Ferrer vai esclarecer o que você pode pensar sobre isso. Ele relata que um arquidiácono de Lyons desistiu de seu cargo e se retirou para um lugar deserto para fazer penitência, e que morreu no mesmo dia e hora que São Bernardo. Após sua morte, ele apareceu ao seu bispo e disse-lhe: "Sabe, Monsenhor, que na mesma hora em que eu morri, 33.000 pessoas também morreram. Desse total, Bernard e eu fomos para o céu sem demora, três foram para o purgatório, e todos os outros caíram no Inferno."
Em resposta a isso, você vai me dizer, é que a misericórdia de Deus é grande. Sim, para aqueles que O temem, diz o Profeta, mas é grande a Sua justiça para aqueles que não O temem, e condena todos os pecadores obstinados.
Você diz: Se Cristo quisesse condenar-me, então por que Ele me criou? Silêncio, língua imprudente! Deus não criou ninguém para condená-lo, mas quem é maldito, é maldito porque ele quer ser.
Então você vai dizer para mim: Bem, então, para quem é o Paraíso, senão para os cristãos? É para os cristãos, é claro, mas para aqueles que não desonram seu caráter e que vivem como cristãos.
Para aqueles que não entendem a teologia, aqui é o que eu tenho a dizer-lhes: Deus é tão bom que quando vê um pecador correr para sua ruína, Ele corre atrás dele, o chama, suplica e acompanha-o até os portões do inferno; o que Ele não fará para convertê-lo? Ele envia-lhe boas inspirações e pensamentos santos, e se ele não aproveitá-los, Ele torna-se irritado e indignado, Ele persegue-o. Ele vai atacá-lo? Não. Ele bate no ar e perdoa. Mas o pecador ainda não está convertido. Deus envia-lhe uma doença mortal. É certamente tudo para ele. Não, irmãos, Deus cura-o; o pecador torna-se obstinado no mal, e Deus em Sua misericórdia procura outra maneira; Ele dá-lhe mais um ano, e quando esse ano acabar, Ele concede-lhe ainda outro.
Mas se o pecador ainda quer lançar-se no inferno, apesar de tudo isso, o que faz Deus? Ele o abandona? Não. Ele o leva pela mão, e enquanto ele tem um pé no inferno e outro fora, Ele ainda prega, implora-lhe que não abuse de Suas graças. Agora eu lhe pergunto, se esse homem é condenado, não é verdade que ele é condenado contra a Vontade de Deus e porque ele quer ser condenado? Venha e pergunte-me agora: Se Deus quisesse condenar-me, então por que Ele me criou?
Ouça o que Cristo quer dizer-lhe, pois estas podem ser suas últimas palavras: Você me custou o meu sangue; se você quer ser condenado apesar do sangue que derramei por você, não Me culpe, você têm apenas a si mesmo para acusar; e por toda a eternidade, não se esqueça de que se você for condenado a despeito de Mim, você será condenado, porque você quer ser condenado: "Tua condenação vem de ti!"
- Trechos extraídos do sermão de São Leonardo de Porto Maurício sobre o pequeno número dos que serão salvos.
Deus não predestina ninguém para o Inferno, para isso é preciso uma aversão voluntária a Deus - apenas UM pecado mortal - e persistir nela até o fim.
*Catecismo 1037.
https://www.facebook.com/institutocristandade?fref=photo 

Postagens mais visitadas