O maior grupo de Terço dos Homens do país

RIO DE JANEIRO - Noite de quinta-feira. Paróquia São Rafael Arcanjo. Uma ventania prenuncia que vai chover forte em Vista Alegre, Zona Norte do Rio. Após a bênção final da missa das 19h, todas as mulheres ali presentes deixam o interior da igreja com certa pressa, enquanto os homens permanecem sentados nas primeiras filas. Em uma questão de segundos, os lugares deixados por elas são ocupados por mais dezenas deles. Os que não conseguem vaga nos bancos de madeira tomam os corredores com cadeiras brancas de ferro. Às 20h, com aproximadamente três mil fiéis lotando o espaço, dá-se início ao Terço dos Homens.

 Um moreno alto, vestido com jeans, tênis, camiseta e rosário pendurado no pescoço, atravessa a igreja levando a imagem de Nossa Senhora de Fátima até o altar onde está o diácono Melquisedec Ferreira da Rocha, o comandante do encontro. O primeiro pai-nosso é cantado por todos, em uma só voz. Tudo está sendo transmitido, ao vivo, no canal oficial do Terço dos Homens no YouTube, na fan page do Facebook e, de lambuja, no telão instalado na varanda da paróquia. A área externa é ocupada por um punhado de mulheres que, embora role em paralelo um grupo de oração para elas no segundo andar, preferem acompanhar a prece dos companheiros.

— Venho para incentivar o meu namorado. Ele resistiu, achava que era bobagem mas, depois da primeira vez, não perde mais uma quinta-feira. Podemos ter o evento que for, pode chover canivete. A nossa relação melhorou muito depois que ele passou a frequentar o terço — explica a veterinária Camilla Geranio, de 31 anos, sentadinha do lado de fora. — Às vezes, meu namorado aparece no telão.
Regra é regra. Nem a mulher do diácono tem permissão para entrar na igreja. [...]
São crianças, jovens, quarentões, idosos, de 8 a 80 anos. São estudantes, auxiliares administrativos, advogados, empresários, desempregados, ex-presidiários, ex-jogadores de futebol. São homens que moram na vizinhança e homens que vêm de longe, da Baixada Fluminense à Barra da Tijuca.
Morador da Vila da Penha, presidente do Cacique de Ramos e integrante do grupo Fundo de Quintal, Ubirajara Félix do Nascimento, o Bira, é habitué. Semana passada lá estava ele, com a polo preta que tem o símbolo do Terço dos Homens bordado do lado esquerdo do peito — a camisa, usada por nove em cada dez devotos, é vendida a R$ 35 numa barraca montada no pátio.
[...]
— O terço é a melhor maneira de tocar no coração do homem e apresentar-lhe o novo rosto da igreja, a igreja que acolhe — afirma Alberto, o pároco da São Rafael Arcanjo. — Curiosamente, quem acaba dando testemunhos da conversão dos homens não são eles, são suas mulheres. Elas relatam mudanças no comportamento dos maridos, que passam a dividir as tarefas do lar.
O pároco enfatiza:


— Muitas vezes, o homem acha que ser um bom pai é não deixar faltar comida, pagar o plano de saúde e a escola do filho. Mas quem age assim é um simples provedor. Batemos muito na tecla de que não basta ser pai, tem que participar.
Desde o primeiro encontro em Vista Alegre, nos idos de 2012, o número de fiéis se multiplicou; hoje, é o maior Terço dos Homens no Brasil, inspirando a formação de grupos em diversas igrejas do Rio, da Zona Norte à Zona Sul. Estima-se que pelo menos metade das 275 paróquias da cidade promovam reuniões do tipo.

— Já é possível perceber mudanças nas famílias cariocas por conta da participação e presença de pais e chefes de família no Terço dos Homens. Um belo trabalho, que cresce a cada dia e que legitima a manifestação da fé católica — diz dom Orani Tempesta, cardeal arcebispo do Rio.

A origem do costume é remota. Há registros de reuniões de homens para rezar o terço desde 1912. Mas eram movimentos isolados. O Terço dos Homens começou a ganhar força na última década, mais especificamente em capelas do interior do Nordeste. Aos poucos, virou um fenômeno nacional que, inclusive, está sendo “exportado” para Bolívia, Paraguai e Estados Unidos.

— É um movimento espontâneo. Em fevereiro deste ano, a Romaria Nacional do Terço dos Homens reuniu 52 mil em Aparecida — relata dom Gil Antônio Moreira, arcebispo de Juiz de Fora e bispo referencial para o Terço dos Homens, nomeado pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). — Nos encontros, reza-se o terço com um sentido meditativo, uma característica bastante interessante para o trabalho da evangelização das famílias.
Segunda-feira passada, foi realizado o primeiro Terço dos Homens na Paróquia São José da Lagoa, conduzido pelo padre Omar Raposo. Recém-chegado de Roma, ele trouxe na bagagem rosários benzidos pelo Papa Francisco para presentear os paroquianos. Junto com os mimos, os homens receberam a convocação para o grupo de oração. Cerca de 50 fiéis compareceram com o terço em punho.

— Acredito que seja o movimento que mais cresce dentro da Igreja Católica — afirma o pároco da São José e reitor do Santuário Cristo Redentor. — Cria-se um corpo entre a relação da devoção e a relação de pseudo clube do bolinha. E deixa muito claro que se reunir para rezar o terço não é só coisa de mulher. Nota-se que o homem perdeu a vergonha de professar a fé. Como o jovem também está perdendo.
 [...]
— É difícil conseguir chamar os homens para rezar. Não deixa de ser um gesto de humildade, que fortalece a família. Pais de joelho, filhos de pé.
Na Igreja Nossa Senhora da Paz, coração de Ipanema, o Terço dos Homens é realizado desde agosto do ano passado. [...]
[...]
— É o momento dos homens, as mulheres vêm por amor — comenta Greide, enquanto estaciona o carrinho de Maria Odete em um banco lateral.
Ao observar a cena, o empresário Walter Wanger, de 70 anos, reitera:
— As mulheres são sempre muito bem-vindas. Só pedimos que os homens fiquem à frente pois são eles que puxam os rosários — avisa ele, um dos coordenadores da escala da santa. — O terço é uma oração em louvor à Maria. Tem semana que trazemos uma imagem de Nossa Senhora da Penha ou Nossa Senhora das Graças. Nesta semana, o Frederico trouxe a de Imaculada Conceição.
Há também um revezamento de padres no comando do Terço dos Homens na Nossa Senhora da Paz. Pode ser o pároco Manoel Vieira, pode ser o padre Jorjão. Semana retrasada foi o padre José Ricardo, um fã confesso da iniciativa.

— É possível rezar o terço em qualquer lugar, é verdade, mas Jesus disse: “Pois onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, ali estou no meio deles” — lembra padre José Ricardo, citando o Evangelho de Mateus. — A oração comunitária é mais evangélica. No fundo, no fundo, o Terço dos Homens tem a mesma lógica dos clubes de motociclistas, do chope, do futebol.
Quarta-feira, aliás, costuma ser a noite sagrada do futebol.

— O Terço dos Homens ganhou uma importância tão grande em nossas vidas que nunca deixamos de vir por causa de um jogo. E olha que eu falo como flamenguista — brinca o físico Antonio Augusto de Aquino e Castro, de 63 anos.
Por sinal, o hábito de rezar o terço foi disseminado por um homem, São Domingos, frisa o administrador de empresas Arthur Amorim, de 44 anos.

— Foi São Domingos quem implementou o santo rosário como conhecemos hoje. Diz a história que todos os dias ele depositava rosas no altar de Nossa Senhora.
Arthur começou a frequentar grupos de oração (majoritariamente femininos) aos 18 anos:

— O terço é o caminho mais fácil para o homem entrar na igreja porque ele tem dificuldade de fazer uma oração espontânea. Isso é geral — observa Arthur, casado, pai de dois filhos, coordenador de quatro terços e estudioso do tema. — No Concílio Vaticano II, realizado entre 1962 e 1965, a igreja se abriu. E começaram a surgir novos movimentos, como a renovação carismática católica, que tem hoje como um de seus expoentes os padres Marcelo e Fábio de Melo. A volta do homem à igreja veio nesse embalo. Mas ainda é um processo em construção. Alguns homens nem se ajoelham na missa. Por outro lado, Maria é mãe. E todos têm relação forte com a mãe.
[...]
Os católicos (ainda) são maioria no Brasil. Segundo as informações do último Censo, de 2010, divulgadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 64,6% dos brasileiros seguem o catolicismo. Este número, porém, representa uma redução: em 1970, os fiéis totalizavam 91,8% da população. Em paralelo, houve um crescimento expressivo dos evangélicos — que, nos mesmos 40 anos, pularam de 5,2% para 22,1% dos brasileiros.

Uma pesquisa sobre o brasileiro e sua espiritualidade, que acabou de ser finalizada pela consultoria CVA Solution, afirma que quem acredita em Deus, independentemente da religião, é mais feliz. O estudo mostra também que os católicos vão menos à igreja do que os evangélicos.

— O movimento do Terço dos Homens acaba sendo uma forma de engajar mais os católicos, de ativar a religião que sempre foi maioria no país, mas que, se continuar nesse ritmo, em 2030 pode ter o número de seguidores igualado ao de evangélicos — observa Sandro Cimatti, sócio-diretor da CVA no Brasil.

Escritor e advogado, Pedro Siqueira, que acabou de lançar o livro “Todo mundo tem um anjo da guarda” (Sextante), acredita que nos últimos tempos o homem passou a se interessar mais pela religião. Ele ficou famoso por conta dos grupos de oração que conduziu na Paróquia Santa Mônica, no Leblon, e na Paróquia Nossa Senhora da Conceição, na Gávea. Agora, viaja o país fazendo palestras e, por conta da agenda, conduz apenas três terços por ano em solo carioca (todos mistos).

— Sempre me chamou atenção o fato de uns 80% dos frequentadores dos meus grupos de oração serem mulheres com uma certa idade. Os homens não tinham esse hábito. Esse perfil começou a mudar de uns quatro anos para cá — atesta o escritor de 45 anos, que coordena terços desde os 22.
Os homens estão rezando até na rua. Toda primeira terça-feira do mês, um grupo da Paróquia São Joaquim se reúne na praça em frente à saída do metrô, no Largo do Estácio. Com auxílio de um carro de som e da luz cedida por uma carrocinha de cachorro-quente, os fiéis rezam ao lado de vendedores ambulantes, de meninos de rua e de quem mais estiver entrando (ou saindo) da estação do metrô.

— Resolvemos tomar essa iniciativa a partir de uma mensagem do Papa Francisco que, em sua observância, nos chama para irmos em ação fora das paróquias. É, portanto, um momento em que a oração ganha um sentido de comunhão muito maior — conta o funcionário público Pedro Klarner de Rezende, de 35 anos, coordenador do Terço dos Homens na Paróquia São Joaquim.

Vez ou outra, o terço ao ar livre conta com as palavras do diácono Melquisedec, que dá expediente como advogado trabalhista no Centro e faz uma escala estratégica no Largo do Estácio antes de voltar para Vista Alegre.

Leia a matéria completa aqui. 

Postagens mais visitadas