NOSSA SENHORA DE LOURDES E SÃO VALENTIM (Santo do Dia)

A liturgia comemora hoje a Aparição de Nossa Senhora em Lourdes (1858). A Santíssima Virgem, aparecendo a Bernardete Soubirous, disse: “Eu sou a Imaculada Conceição", confirmando o dogma
proclamado quatro anos antes. Trazia ao mundo uma mensagem de oração e de penitência pela conversão dos pecadores. Desde então a Gruta de Lourdes tornou-se o maior centro mariano da Europa, onde milhões de peregrinos, cada ano, procuram um aumento de fé e um alívio aos sofrimentos.

Em suas mãos, a Virgem tinha um grande rosário branco e dourado. Então, juntas, começaram a rezá-lo. No domingo, 14 de fevereiro,
Bernadette rezava na gruta a primeira dezena do rosário e Maria apareceu. A menina jogou água benta para garantir que não era uma obra do inimigo. A Virgem sorriu, fez o sinal da cruz com o rosário e rezaram juntas.

No domingo, 21, a menina viu que a Virgem estava triste, perguntou o que se passava e Nossa Senhora
lhe respondeu: “Orai pelos pecadores”. Por esta altura, as autoridades ameaçaram levar Bernadette para a cadeia e todos zombavam dela. No dia 22, a Virgem não apareceu, mas a menina não perdeu a esperança de voltar a vê-la. No dia 23, dez mil pessoas foram ver o que acontecia. A Virgem apareceu a Bernadette e pediu que dissesse aos sacerdotes que elevassem ali um santuário, onde se deveria ir em procissão.

No dia 26, o primeiro milagre ocorre. O pobre trabalhador Bourriete, que havia mutilado seu olho esquerdo, rezou e esfregou o olho com a água da fonte. Então, ele começou a gritar de alegria e recuperou a vista. Em 27 de fevereiro, a Virgem permaneceu em silêncio, Bernadette bebeu a água da fonte e fez gestos recorrentes de penitência.
Leia a matéria completa aqui...


Neste mesmo dia celebra-se a memória de São Valentim, morto mártir em Roma por volta do ano 270. A Igreja safra, há pouco, da terrível perseguição de Décio e Valeriano (250-260). Após a humilhante derrota do imperador Valeriano frente ao exército persa, a Igreja passou por um período de relativa liberdade.Galiano publicou um edito de tolerância em favor Igreja, que, inclusive, teve conhecido o direito de possuir bens imóveis.

Não faltaram, no entanto, atos esporádicos de violência contra os cristãos, devido ao espírito anticristão latente no senado e na aristocracia romana, aliado ao fanatismo dos sacerdotes pagãos.

Foi neste período que Valentim regeu a igreja de Terni, onde desenvolvia um apostolado fecundo de conversões. Tanto zelo só podia suscitar a fúria dos sacerdotes pagãos. Estes tanto fizeram que o acusaram junto ao prefeito de Roma, cuja jurisdição se estendia por um raio de cem quilômetros.

Valentim foi levado à capital do Império, onde por sua eloquência conseguiu valer-se da lei de tolerância, conservando relativa liberdade. Aproveitou este período para continuar em seu zelo e visitar os cristãos detidos na cadeia, a fim de socorre-los, conforta-los e exorta-los à perseverança na fé. Esta sua preciosa e corajosa caridade granjeou-lhe grande admiração e fama de santidade junto à comunidade cristã de Roma.

Ao imperador Galiano, que regeu a sorte do Império Romano somente oito anos, sucedeu Cláudio II, chamado o Gótico. Este desconheceu a política de tolerância religiosa do antecessor, cedendo facilmente às pressões dos que estavam interessados em terminar com o Cristianismo. O ambiente romano via com maus olhos o avanço da religião cristã, tão contrária a mitologia oficial.

Valentim foi novamente preso; levado ao prefeito de Roma, foi interrogado sobre sua convicção religiosa. O santo valeu-se uma vez mais de sua eloquência para contrapor à futilidade dos deuses pagãos a beleza dos mistérios cristãos e a figura de Cristo Salvador.

Entregue em custódia a um nobre centurião, cuja filha era cega, Valentim conseguiu de Deus a cura milagrosa da jovem, fato que levou à conversão não somente o comandante, mas também vários guar' das. Tudo isto enfureceu diversos magistrados que forçaram o prefeito a pronunciar a sentença de morte.

Fontes: CONTI, Dom Servilio. O Santo do Dia. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1984./ http://www.acidigital.

Postagens mais visitadas